Vidro grosso: o que considerar no cálculo da espessura

O cálculo da espessura dos vidros, como o vidro grosso, deve ser feito seguindo-se todas as normas e especificações. Não é tarefa trivial, de modo que muitas empresas oferecem soluções para auxiliar e simplificar os cálculos da espessura de vidros aplicados em coberturas, fachadas, aquários, guarda corpo e portas.

Uma das dúvidas que podem surgir para o cálculo da espessura do vidro grosso está atrelada às especificações que devem ser aplicadas. Quem tem essas dúvidas deve se socorrer a norma NBR 7199 – Projeto, execução e aplicações de vidro na construção civil, que determina fórmulas e condições a serem consideradas.

Sendo assim, fatores como localização, dimensões, peso e formas de apoio devem ser ponderadas visando maior segurança em projetos de obras e de objetos decorativos. Além disso, esse cálculo também é importante para guiar e ajudar no devido dimensionamento da carga e seu transporte.

De modo geral, o cálculo deve considerar basicamente:

  • Tipologia e dimensões: é uma representação gráfica do elemento a ser fixado. A tipologia detalha a forma como o vidro será instalado;
  • Esforços solicitantes: é necessário saber o local em que o vidro será instalado, o tipo de edificação e a altura em relação ao chão. Um conjunto de normas guiam os cálculos, como as normas de forças dos ventos em edificações, a norma de esquadrias, e a norma de guarda-corpos;
  • Tipos de fixação: o cálculo da espessura apropriado deve incluir ainda o tipo fixação do vidro que será feita na estrutura;
  • Tipo de vidro a ser utilizado.

Vidro grosso: norma que determina cálculos de espessura nem sempre é compreendida

Como dito, existem diversas normas que devem ser consultadas para que o cálculo da espessura seja feito de maneira correta. Como são inúmeras condições a serem obedecidas e fórmulas a serem utilizadas, muitos profissionais apresentam dificuldades em compreender e aplicar de maneira correta tais instruções.

Por conta das dificuldades, já existem softwares que ajudam no projeto, execução e aplicações destas normas, orientando devidamente o cálculo para cada tipo de vidro, como o vidro grosso.

As dificuldades se baseiam no fato de que os cálculos não obedecem a uma sequência linear e bem estruturada nas normas, de modo que a consulta é árdua. Além disso, a linguagem empregada é muito técnica e necessita também de revisões. Essa revisão é necessária, pois existem falhas e ausência de explicações para os cálculos apresentados.

Por que os vidros se tornaram tão populares?

O uso do vidro se tornou bastante popular por conta das características que apresenta, sendo estas bastante úteis para inúmeras aplicações industriais, para construção civil e ornamental. Tais características compreendem, a transparência do material, sua dureza, impermeabilidade e baixo nível de condutividade elétrica. Além disso, funcionam bem como isolantes acústicos e térmicos.

A composição do vidro grosso conta com recursos em abundância na natureza, como areia (sílica), calcário, feldspato, barrilha, dolomita e sulfato de sódio, o que o torna um material relativamente barato e fácil de obter e produzir. Ademais, podem ser reciclados e reutilizados, sendo uma opção sustentável.


Regiões onde a Vidraçaria Ideal atende vidro grosso:


Principais regiões do Brasil onde a Vidraçaria Ideal atende vidro grosso: